Silvio Barbosa

Professor concursado do Curso de Comunicação Social da UFPI, campus Teresina. Doutor em Comunicação e Mestre em Filosofia do Direito é advogado e jornalista, com 24 anos de experiência de mercado, tendo trabalhado em empresas como Rede CBS (Estados Unidos), Globo, Bandeirantes, Record e TV Cultura. Autor dos livros TV e Cidadania (2010) e Imprensa e Censura (no prelo) e dos documentários Vale do rio de lama - no rastro da destruição, e Sergio Vieira de Mello, um brasileiro em busca da paz no mundo.
Professor concursado do Curso de Comunicação Social da UFPI, campus Teresina. Doutor em Comunicação e Mestre em Filosofia do Direito é advogado e jornalista, com 24 anos de experiência de mercado, tendo trabalhado em empresas como Rede CBS (Estados Unidos), Globo, Bandeirantes, Record e TV Cultura. Autor dos livros TV e Cidadania (2010) e Imprensa e Censura (no prelo) e dos documentários Vale do rio de lama - no rastro da destruição, e Sergio Vieira de Mello, um brasileiro em busca da paz no mundo.

Democracia na UFPI – por que votar em Gildásio Guedes para reitor?

Porque é tempo de dizer não ao compadrio!

No dia 12 de agosto, os Ufpianos, professores, funcionários e estudantes, vão à urna – eletrônica – escolher o futuro reitor da UFPI na primeira das três fases do processo; depois dessa consulta à comunidade acadêmica, o Conselho Universitário irá preparar uma lista tríplice a ser enviada ao Ministério da Educação, a quem caberá indicar o próximo reitor.

Foto: Gildásio Guedes e Viriato CampeloGildásio Guedes e Viriato Campelo, chapa 02
Gildásio Guedes e Viriato Campelo, chapa 02

Os percalços nesse caminho são enormes: o Conselho Universitário, por questões éticas, deveria, mas não é obrigado, a indicar na lista os três candidatos mais votados. E, chegando essa lista tríplice no MEC, o governo federal (leia-se, presidente Bolsonaro) não é obrigado a escolher o mais votado e, pior ainda, nem mesmo um dos três nomes da lista.

Deu para perceber que esse processo indireto de eleição, com indicação final do Poder Executivo é um arremedo de Democracia. Mas as sombras que pairam sobre o processo eletivo não param aí, começando bem antes. O Magnífico Reitor da UFPI, Prof. José Arimatéia, não é neutro nessa eleição. Depois de dois mandatos seguidos, alternando o poder com a vice-reitora e atual candidata Profa. Nadir Nogueira, o reitor apontou como seu candidato, para surpresa geral, não sua vice, mas o Prof. André Macedo, que ocupa um cargo de confiança, o de Pró-Reitor de Planejamento. Copiando a política do “dedazo”, em que o presidente mexicano apontava o dedo para seu sucessor do partido dominante, o PRI, o reitor José Arimatéia veio preparando o Prof. André para o cargo chamando-o a participar de todas as reuniões nos últimos dois anos.

O golpe contra a professora Nadir aconteceu em novembro do ano passado, mas não a desanimou. Depois de administrar a UFPI por quase tanto tempo quando o reitor Arimatéia, que se afastou muito por viagens e motivos de saúde, Nadir concorre com uma chapa que não se define nem como oposição, nem como situação.

André, da mesma forma, não apresenta discurso próprio, titubeia e demonstra, nos debates, desconhecimento profundo da UFPI e de suas reais necessidade.

Em meio a esse quadro de compadrio em que há dois candidatos da situação, um oficial, André, e outro semi-oficial, Nadir, desponta a chapa 02, dos professores Gildásio Guedes e Viriato Campelo, diretores ELEITOS respectivamente para o CEAD – Centro de Educação Aberta e a Distância da UFPI, e para o Centro de Ciências da Saúde.

O lema da chapa, Experiência, Educação & Compromisso,  pode ser bem compreendido pela consulta ao ótimo e informativo site de campanha (www.gildasio.com ), que nos explica que esses dois homens já tem 4 décadas de trabalho acadêmico e administrativo na maior instituição de ensino do Piauí.

São professores do ensino presencial, da graduação e da pós-graduação, com farta experiência, dentro e fora da sala de aula, com inúmeros cargos administrativos ocupados. Professor Gildásio, por exemplo, dirige o CEAD, centro com maior quantidade de alunos da UFPI, atendendo 10 mil estudantes, na imensa maioria carentes, através dos cursos de educação a distância de graduação e de licenciatura. No Piauí, os alunos da caatinga, do cerrado ou do litoral tem aulas pela internet e sanam suas dúvidas presencialmente com os professores tutores nos 42 polos do CEAD, 40 no Piauí e dois no oeste baiano.

Por causa desses polos, professor Gildásio se tornou recordista de quilometragem nas estradas piauienses, indo “aonde o povo está”, como canta o poeta Milton Nascimento em Nos bailes da vida,

“Se ficarmos só em nossa sala de aula, só em nossa pesquisa, não vamos cumprir o que a sociedade espera de nós”, disse Gildásio ao conquistar o mais alto grau de nossa universidade, o de Professor Titular, em março, pouco antes da pandemia fechar nossa querida UFPI.

Sim, o Covid-19 pegou a UFPI de calças curtas. Aulas suspensas sem previsão de retorno para a graduação. Um ano praticamente perdido por conta da inação da atual administração, que tenta oferecer algumas disciplinas teóricas num mal ajambrado semestre 2020.3.

Prof. Gildásio propôs, em abril, retomar as aulas da graduação, emergencialmente, usando as ferramentas que utiliza há 13 anos no CEAD. Pela proposta detalhada por ele, haveria empréstimo de equipamentos e sinal de Internet para os alunos carentes e a volta às aulas da graduação ocorreria, de forma virtual, já em maio, a tempo de salvar o primeiro semestre letivo.

A resposta negativa da titubeante reitoria custou muito caro, o atraso dos alunos da UFPI frente aos estudantes das universidades particulares. É por isso, pela capacidade visionária de ver solução onde outros apenas cruzam os braços, que Gildásio é o melhor nome para a reitoria.

Como jornalista e colunista, eu faço agora como o respeitado jornal norte-americano The New York Times que, em 2008 e em 2012, abandonou a suposta neutralidade jornalística e anunciou seu apoio a quem considerou o melhor candidato à eleição e à reeleição à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama.

É isso que faço, comunico meu apoio e peço seu voto, Ufpiano, ao melhor candidato a reitor, Prof. Gildásio Guedes, e seu vice-reitor, Viriato Campelo, chapa 02.

Menos burocracia e mais ação, defende a chapa: “é preciso desburocratizar a universidade para integrá-la mais à sociedade, à juventude, cuidar das coisas do Piauí, com foco no homem, nos nossos recursos humanos.”

Confiemos!

Comentários